Minhas asas. Ontem, hoje e sempre incentivando a imaginação e a criatividade.

terça-feira, 17 de dezembro de 2013

Sempre é tempo de dar asas à imaginação. “Voar” é um santo remédio. A fantasia faz bem à mente e ao espírito. Veja, nessa crônica, a cronologia de um par de asas que nasceu e sumiu, mas, pode ressurgir a qualquer instante.


As asas da imaginação, incentivando a criatividade.
by Telma M.
Eu nasci com asas.
Depois as perdi, mas, nasci com um par de asas enormes e bem fortes, capazes de voos incríveis. 
Quando completei 5 anos, finalmente entendi que deveria escondê-las bem escondidas, pois as outras pessoas não aceitavam muito bem uma criança voadora.
 
Não se apavorem, eu nunca fui de ficar esvoaçando em torno de ninguém. Incomodando como se fosse uma mosca ou uma daquelas asquerosas baratas voadoras, ou pior ainda, como se fosse uma borboleta. 
Eu preferia realizar meus voos enquanto estava em meu quarto ou mesmo no quintal na companhia de meus amigos invisíveis e dos livros de histórias encantadas. Algumas vezes eu fazia viagens fantásticas a outros mundos, de onde era bem difícil voltar, pois a fantasia é sempre mais bonita do que muitas realidades.

Meus pais, depois de muita batalha, conseguiram me fazer compreender a necessidade de esconder minhas asas. Era isso ou um corte radical. Apesar da pouca idade eu optei pela melhor solução: Cortar apenas as pontas e escondê-las sob as roupas. Mas antes tive de ouvir um longo discurso explicando os perigos de se exibir um par de asas numa comunidade caminhante bípede e depois foi preciso prometer, jurar que nunca iria deixá-las serem vistas por olhos humanos.

Bem, eu sempre fui uma menininha muito obediente e cumpridora de regras, por isso passei meus melhores anos caminhando e tentando ser realista, mas a minha menina sonhadora sempre esteve escondida por aqui, em algum lugar.
Meus pés se fixaram no chão e eu esqueci como é que se fantasia, como se sonha, como se é feliz.

Quando meus filhos nasceram eu tive uma recaída. Enchi a casa de livros de histórias infantis, sentei no chão com as crianças e tentei voar com eles, mas me pareceu ser tarde demais, minhas asas não conseguiam se abrir e meus pés não conseguiram levantar nem um milímetro do chão.

Eu me lembro de, quando criança, ter presenciado uma cena que me marcou profundamente: Alguém cortou as asas de um pequeno periquitinho verde. Depois disso ele não ficava preso em nenhuma gaiola, mas também nunca mais pode voar. Ficava andando sobre um poleiro comprido. Vez ou outra entrava numa gaiola sem portas para se alimentar e dormir. Certa vez o pobrezinho caiu no chão... O periquito não foi encontrado nas imediações. Eu procurei pela casa toda, procurei no quintal, na vizinhança, mas o “Quito”, como era chamado, nunca mais foi visto. “Ele foi embora”, disseram.

Suspeito que Romão, o gato, se alimentou bem naquele dia...
Seja como for, eu não quero ter o mesmo destino. Minhas asas estão bem aqui, apenas escondidas. Posso voar! Meus livros estão bem ali ao lado, em minha biblioteca, basta lê-los e liberar minhas asas novamente, posso fantasiar e posso ser feliz o quanto eu quiser.

Artigos Recomendados:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Se você tem uma história para contar, conte aqui. Se for divertida, não ofensiva nem agressiva poderá ser publicada. Mas se quiser apenas ler, fique à vontade!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...