A luz verde, a tampa da panela e um cheirinho de café. Apenas uma lembrança da lista.

sexta-feira, 15 de março de 2013

Essa crônica descreve uma lembrança de coisas que aconteciam quando eu tinha apenas alguns meses de idade. A luz verde, a tampa de panela caindo na cozinha e o cheirinho de café coado na hora estão na minha cabeça até hoje.


Bebê envolto na luz verde do abajur.
by Telma M.
Lembranças a gente tem aos montes. Todo mundo tem. Algumas pessoas pensam que se esqueceram das suas, mas no fundo, bem no fundo, elas continuam bem guardadas na caixinha das memórias de cada um.
Quando alguém nos pede para escolher uma lembrança para contar é que surge o problema: qual delas?
Não dá para fazer uma lista e ir contando todas.


Durante uma vida inteira uma pessoa pode guardar bilhões de lembranças em sua memória. Bilhões não, trilhões, quatrilhões, quintilhões...
Nossa memória é quase infinita. “Quase”, porque a gente não sabe qual a real capacidade dela, mas cabe muita lembrança!

Então, o jeito é escolher uma só. Eu resolvi escolher a primeira da minha lista. Quero dizer, a primeira da lista cronológica, pois eu tenho inúmeras listas de lembranças.

Tenho uma lista de lembranças de infância, uma lista de lembranças de adolescência, uma lista de lembranças engraçadas, uma lista de lembranças tristes, uma lista de lembranças nítidas, outra de lembranças incompletas, uma lista de lembranças que eu quero esquecer, tem lista de lembranças que eu quero contar e outra de lembranças que me enchem de vergonha lembrar, uma lista de lembranças de medo, outra de sonhos... Tenho uma lista das listas...

Ai ai ai, chega de papo furado e vamos à lembrança escolhida.
Essa lembrança envolve uma luz verde, uma tampa de panela e um cheirinho de café.

O cheirinho de café todo mundo conhece. Se tiver um jeito de descrever, eu não conheço. Sei apenas que o cheiro é muito melhor do que o gosto, embora o gosto seja delicioso. Café coado na hora tem gosto de avó na beira do fogão fazendo bolinho de chuva, mas o interessante é que também tem gosto de mãe às cinco horas da manhã. O gosto de mãe é mais forte, pois é mais frequente. O gosto de avó é só em dias de chuva...

Às cinco horas da manhã a mãe se levanta de mansinho e pensa que não faz barulho nenhum. Ledo engano! Nossos ouvidos são poderosos a essa hora da manhã, qualquer sussurro nos acorda.

Imagine então, se o garnisé da vizinha cantar, desencadeando uma sinfonia de galos respondendo aqui e ali, por quilômetros de distância. Aí sim é que despertamos mesmo.
Nesse momento percebo a luz verde. No início parece-me que é o mundo todo que acende, depois, percebo que este mundo é diferente do outro que existe quando todo mundo está acordado.

A luz verde torna tudo tão bonito! Os objetos do quarto ficam verdes. A cara do pai roncando é verde. O móbile é verde. O encosto do sofá é verde. Nesse instante uma tampa cai lá na cozinha e o som chega juntinho com o cheiro de café coado na hora. Huuum! Que delícia! É uma questão de minutos para chegar a mamadeira morninha e um colinho de mãe...

Eu não tive berço. Minha mãe usava um pequeno sofá com a frente encostada na parede como berço. Entre o sofá e a cama de meus pais, havia um criado-mudo onde ficava um abajur de luz verde.

Ela se levantava às 5 horas da manhã para preparar o café e a marmita que ela e meu pai levavam para o trabalho. Depois preparava a minha mamadeira e levava até o quarto verde. Durante esse processo podia acontecer de cair uma tampa, no chão lá da cozinha e foi isso que ficou na minha lembrança, junto com a luz verde e o cheirinho de café...

Quantos anos eu tinha? Nenhum. Eu era um bebê de berço!

Artigos Recomendados:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Se você tem uma história para contar, conte aqui. Se for divertida, não ofensiva nem agressiva poderá ser publicada. Mas se quiser apenas ler, fique à vontade!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...