A Mula-sem-cabeça. O castigo da mulher do padre.

quinta-feira, 23 de junho de 2011


Quando alguma mulher tem um caso com um padre, ela é castigada e vira Mula-sem-cabeça
by Roberto M.
O que é mula-sem-cabeça? Qual é a origem da lenda da mula-sem-cabeça?
O folclore brasileiro é muito rico e uma das histórias mais conhecidas, das que povoam o imaginário, principalmente das populações rurais, é a lenda da mula-sem-cabeça.
“Numa noite de quinta para sexta-feira, o rapaz se apressa para chegar à sua casa que fica nas proximidades da igreja matriz. Ele está acabrunhado e atento no meio da escuridão, pois sabe que é noite da mula-sem-cabeça.

De repente, o seu pressentimento se torna realidade. Um tropel barulhento se aproxima rapidamente; são cascos que em desabalada carreira vêm levantando poeira. Num instante ele ouve um gemido quase humano, em outro um relinchar pavoroso. Aparece então o bicho horrendo. Tem a forma de uma mula, mas não tem cabeça. Mesmo sem ela, solta fogo pelas ventas. Ataca quem estiver pela frente, pessoas ou animais, com coices dilacerantes cortando como navalhas”.

O mito da mula-sem-cabeça é oriundo de Portugal e já existe desde o tempo do Brasil colônia e tem similares nos folclores do México e da Argentina.
É conhecida também pelos seguintes nomes: Burrinha do Padre, Burrinha, Mula Preta, Cavalo-sem-cabeça, Padre-sem-cabeça, Malora (México), Muladona (Espanha), Mula Anima (Argentina).

O mito fala que, virar mula-sem-cabeça é o castigo que cabe à chamada mulher do padre.
Diz a lenda que as mulas-sem-cabeça são mulheres que têm casos com padres. Seu castigo é virar burrinha nas noites de quinta para sexta-feira, e correr sete cidades, atacando tudo o que estiver pela frente.
Quando chega a madrugada, exausta e cheia das marcas pro­vocadas pelas batidas e arranhões, a mulher com aparência de mula readquire sua forma humana, mas na próxima noite de quinta-feira, tudo recomeçará e ela novamente irá cumprir sua sina.

De acordo com a região em que é contada,  existem variações na lenda da mula-sem-cabeça: o animal pode ser negro, com uma cruz de cabelos bran­cos; pode soltar fogo pela cauda e pode carregar um freio ferozmente mastigado na boca espumante de sangue.
Há variações, também, no modo de quebrar o encanto da mula.

Uns dizem que só o padre pecador pode evitar que sua concubina cumpra seu fado. Para tanto, deve amaldiçoá-la antes de celebrar a Santa Missa.

Outros falam que uma vez iniciado, o encanto só pode ser quebra­do por alguém que cause na mula um ferimento que derrame sangue. Mas é necessário que esse ferimento sangrento seja fruto de um enfrentamento numa luta. No momento do ferimento, o encanto se quebra e a mulher reapa­rece em sua condição humana, inteiramente nua.

Há ainda quem diga que se alguém, com muita coragem, tirar os freios de sua boca, o encanto será desfeito e a mula-sem-cabeça, voltará a ser gente, ficando livre da maldição.
Em todos os casos, porém, é castigo de mulher de padre
Bibliografia:1) Cascudo, Luiz Da Câmara - Lendas Brasileiras - 7ª Edição - Ed. Global- 2001
                    2) Revista Porto Seguro Brasil - 2ª Edição - Ed. Abril - Jan/2004

Artigos Recomendados:

Um comentário:

  1. Hehehehehe...
    Minha avó contava estas histórias, e depois apontava quem era o filho do padre. Que maldade..
    Beijão

    ResponderExcluir

Se você tem uma história para contar, conte aqui. Se for divertida, não ofensiva nem agressiva poderá ser publicada. Mas se quiser apenas ler, fique à vontade!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...