Quem foi o personagem histórico que deu nome à Rua Frei Caneca?

terça-feira, 24 de maio de 2011


by Roberto M.
Frei Caneca não é apenas o nome de uma das ruas mais conhecidas da cidade de São Paulo. Frei Caneca era o nome popular de Joaquim da Silva Rabelo, depois Frei Joaquim do Amor Divino Rabelo e Caneca (vivia, quando garoto, da venda de canecas nas ruas de Recife, daí seu nome).
Nasceu em Recife aos 20 de agosto de 1779 e morreu fuzilado, também em Recife, aos 13 de janeiro de 1825.


Foi um religioso e político brasileiro. Esteve implicado na Revolução Pernambucana (1817) e na Confederação do Equador (1824), onde foi líder e mártir.
Mas vamos colocá-lo no contexto histórico.

Os anos de 1817 e 1824 marcaram um período muito agitado na história do Brasil. Duas grandes revoltas irromperam, naqueles anos, em Pernambuco, acabando por se ramificar em várias outras províncias do Brasil colonial/imperial.
Uma das causas da revolução de 1817 foi a rivalidade existente entre portugueses e brasileiros, em Pernambuco. Havia também o descontentamento contra o governador Caetano Pinto de Miranda Montenegro de quem os adversários políticos diziam: Caetano, no nome; Pinto, na coragem; Monte, nas alturas e Negro, nas ações.

Era uma revolução nacionalista e republicana. Conspirava-se nos cenáculos da maçonaria. Havia banquetes em que os conspiradores traçavam os planos da revolta. Nesses banquetes não se consumia pão e trigo, porque o trigo vinha de Portugal. Comia-se pirão de farinha de mandioca. Nada de vinho, que também era importado do Reino Português, mas a legítima e nacional aguardente de cana.

Após alguns episódios de luta, elegeu-se um governo provisório. O povo confraternizava com os revoltosos e gritavam depreciativamente contra os portugueses. O governador fugiu do palácio e refugiou-se numa fortaleza. A revolta estava vitoriosa.
Os revoltosos se organizavam e tentavam propagar o movimento republicano pelas outras províncias, mas o governo português também tomava suas providências.

Houve a prisão de muitos revolucionários (inclusive Frei Caneca que ficou quatro anos detido em Salvador na Bahia). Tropas foram enviadas. Bloqueou-se Recife. Escassearam os mantimentos. O governo real começou a castigar os revoltosos republicanos não só com prisões, mas com a morte. Foram tantas as execuções capitais que o próprio rei mandou sustar os poderes da comissão militar, encarregada de processar os dissidentes.

Esses excessos acirraram o espírito popular, a tal ponto, que em 1824 outra revolução republicana se instaurou. Dessa vez de maior vulto e muito mais difícil de debelar. Chefiada por Pais de Andrade, contou com a adesão das províncias de Ceará, Paraíba e Rio grande do Norte. Foi a chamada “Confederação do Equador”.

As forças imperiais mandadas contra os revoltosos conseguiram vencer as províncias revoltadas. As execuções dos que participaram dessa tentativa de nova república seguiam a todo vapor.
No Recife, um dos revoltosos condenado à morte foi Frei Joaquim do Amor Divino Rabelo e Caneca.
Sua execução comoveu pela serenidade e elevação. O povo todo da cidade chorava de dor e compaixão.

O carrasco, um réu de pena de morte cuja sentença seria comutada após executar Frei Caneca, se recusou a matar o patriota.
O ajudante do carrasco, outro condenado à morte, recusou-se também à abominável missão.
A execução demorava a acontecer. Frei Caneca aguardava serenamente a hora de sua morte.
Mandou-se buscar qualquer outro condenado para servir de carrasco, mas ninguém aceitou.

Mudou-se então o modo da execução. Frei Caneca seria fuzilado pelos soldados. Um soldado do pelotão desmaiou, mas a “cerimônia” continuou.
Frei Caneca foi amarrado ao poste de execução e apenas disse aos soldados, no momento que foi dada a ordem de “sentido!”: “Amigos, peço que não me deixem padecer por mais tempo...”
Frei Caneca foi fuzilado a 13 de janeiro de 1825 na Fortaleza das Cinco Pontas.
 
Artigos Recomendados:

2 comentários:

  1. Bom. Muito Bom!
    No Rio de Janeiro uma das ruas mais importantes é a Frei Caneca.
    E é lá, que pegamos nossas canecas para tomar um Chopp bem geladinho. rsrs
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  2. Frei caneca foi um missionario, assim como foi Tiradentes.
    Parabéns pela representação histórica.

    ResponderExcluir

Se você tem uma história para contar, conte aqui. Se for divertida, não ofensiva nem agressiva poderá ser publicada. Mas se quiser apenas ler, fique à vontade!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...